Foco da agenda

O café é um símbolo da agricultura de Minas Gerais. O Estado é o maior produtor do país, responsável pela metade da safra nacional. Em 2018 os cafeicultores mineiros colheram cerca de 33 milhões de sacas. Os cafés de Minas Gerais se distinguem pela diversidade de sabor e aroma, devido, principalmente, às variações de clima, à altitude e aos sistemas de produção. As diferentes características permitem conquistar os mais diversos clientes do mercado nacional e mundial.


Mas a relevância da cafeicultura não é apenas econômica. A atividade também exerce importante papel social. É fonte de emprego e renda para milhares de agricultores familiares e trabalhadores rurais. Estima-se que a cadeia produtiva do café gere 3 milhões de empregos diretos e indiretos em Minas Gerais. Porém o setor ainda enfrenta grandes desafios em relação à competitividade, especialmente na agricultura familiar. As restrições topográficas e organizacionais, além das limitações de mecanização, exigem a busca de alternativas que viabilizem a permanência no mercado com lucratividade.


A saída para os agricultores familiares é identificar nichos de mercado, como os cafés diferenciados, que exigem maior investimento em qualificação dos processos produtivos, de gestão e mercadológicos. Ao incluir a Cadeia de Valor de Café em sua Agenda Estratégica, a Emater–MG assume o compromisso de promover a atividade com sustentabilidade. Os técnicos da Emater–MG trabalham juntos com os agricultores, com os objetivos de melhorar a qualidade do café, reduzir custos de produção, aumentar a renda, manter e criar empregos, melhorar a gestão e comercialização. Ou seja, consolidar uma cafeicultura familiar mineira competitiva.
 

Desafios e Proposições

Eficiência no uso de recursos naturais, água e solo

  • Aumentar o nível de matéria orgânica no solo;
  • Implementar tecnologias de captação de agua de chuva;
  • Identificar e orientar o uso de práticas conservacionistas adequadas às especificidades das regiões.

Competitividade da cafeicultura com possibilidades limitadas de mecanização

  • Implementar tecnologias eficientes para o aumento da produtividade e melhoria da qualidade dos cafés, possibilitando lucratividade na atividade;
  • Aprimorar os processos de gestão da atividade e da propriedade;
  • Melhorar escala para compras e vendas utilizando as cooperativas e associações.

Ampliação do número de agricultores utilizando ferramentas do Programa Certifica Minas Café

  • Utilizar ferramentas de acompanhamento de propriedades do Programa Certifica Minas para a qualificação da assistência técnica e extensão rural e dos processos de gestão, ampliando o número de propriedades aptas à certificação;
  • Ampliar o número de propriedades aptas à certificação.

Sucessão da agricultura familiar na cadeia de valor do café

  • Identificar e assessorar tecnicamente jovens para atuarem na cadeia de valor da cafeicultura.

Programa Certifica Minas Café

A Emater–MG desenvolve o programa Certifica Minas Café, em conjunto com a Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA). A Emater–MG orienta os produtores na adequação das propriedades às boas práticas agrícolas em todas as fases da produção, atendendo normas ambientais e trabalhistas, reconhecidas internacionalmente. Ao final do processo, a propriedade passa por uma auditoria para o recebimento da certificação. O Certifica Minas Café é pioneiro. Ele é o maior programa nacional de certificação de propriedades cafeeiras.

 

Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais

A maior competição de qualidade de café do país é o Concurso promovido em Minas Gerais pela Emater–MG, numa parceria com Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Universidade Federal de Lavras (Ufla), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas e Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão (Faepe). Ele é mais uma importante ação da Empresa, para incentivar a melhoria da qualidade dos cafés produzidos no Estado. Os cafés vencedores passam por análises físicas e sensoriais. Recentemente, foi acrescentada à competição uma avaliação socioambiental na etapa final. Entre os itens que passaram a ser pontuados estão a proteção de nascentes da propriedade, preservação de mata ciliar dos cursos d’água, contratação de trabalhadores com carteira assinada.

O Concurso também é uma importante ferramenta de assistência técnica e extensão rural. Após as análises das amostras concorrentes, os produtores recebem um laudo que lhes permite, com apoio dos técnicos da Emater, identificar em quais pontos a produção precisa ser aprimorada, para melhorar a qualidade do café. Além disso, o Concurso permite identificar os melhores cafés de cada região e as suas características. 


 

Circuito Mineiro de Cafeicultura

O Circuito Mineiro da Cafeicultura é promovido pela Emater–MG, com apoio de diversas instituições. São encontros realizados nas regiões cafeeiras do Estado, que têm por objetivos a difusão de tecnologia e a troca de informações entre os técnicos, empresários e produtores. 

 

Convênio com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Em 2014 a Emater–MG e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento firmaram um convênio para o desenvolvimento de ações de assistência técnica aos cafeicultores e capacitação de técnicos nos anos seguintes. Além disso, a Emater–MG produziu cartilhas e fôlderes técnicos para distribuição em todos os municípios produtores de café.

Mapeamento do café

A Emater–MG desenvolveu um importante trabalho para o crescimento da cafeicultura mineira. A Empresa realizou o mapeamento do parque cafeeiro do Estado por imagens de satélite, seguido pela validação em campo, em 460 municípios produtores. Este mapeamento trará vários benefícios, como: a maior precisão da produção estadual e o aprimoramento das estimativas de safra. Também será possível identificar onde estão situados os cafés diferenciados e suas relações com os locais de produção. Toda a recepção, o processamento, a sistematização, o armazenamento e a disponibilização de informações sobre a cafeicultura do Estado são feitos por intermédio do Geoportal. 

Técnicos da Empresa são capacitados para o uso de geotecnologias e de dispositivos móveis para o levantamento e a validação de dados na cafeicultura. O projeto recebeu um investimento de R$ 6,3 milhões, de Agricultura, a Epamig e a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig). O trabalho também conta com o apoio da Companhia Nacional de Abastecimento(Conab) e da Embrapa.

Parcerias

  • Instituto Mineiro de Agropecuária - IMA
  • Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais - Epamig
  • Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Estado de Minas Gerais - Seapa
  • Universidade Federal de Lavras - Ufla
  • Universidade Federal de Viçosa - UFV
  • Cooperativas de Cafeicultores
  • Sindicatos
  • Prefeituras Municipais

 

Gestor da Agenda

Bernardino Cangussu - bernardino@emater.mg.gov.br

 

 



Matérias Relacionadas