Projeto Sementes Presentes contempla 750 escolas estaduais e envolve 1.500 gestores públicos de Minas Gerais

 

 

BELO HORIZONTE (27/11/2017) - “Nos meus 40 anos de funcionária do Estado, é a primeira vez que vejo o governo mineiro unir suas secretarias para oferecer cidadania aos trabalhadores rurais. E o melhor, todos os técnicos trabalham com disponibilidade e com carinho”. A afirmação é da técnica da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão de Minas Gerais (Seplag) de Governador Valadares, Maria da Penha Carvalho, na reunião de avaliação técnica do projeto Sementes Presentes, na Cidade Administrativa.

O projeto é uma ação da Estratégia de Enfrentamento da Pobreza no Campo, coordenado pela Secretaria de Trabalho e Desenvolvimento Social (Sedese), para permitir às famílias do campo, inscritas no CadÚnico, a segurança alimentar e a geração de trabalho e renda. São três macro ações em execução: a organização das compras da alimentação escolar, a organização das áreas de produção e o fortalecimento e fomento à cooperativas agrícolas.

Para a secretária de Trabalho e Desenvolvimento Social, Rosilene Rocha, a proposta do Governo de Minas Gerais é muito importante no combate à fome. “Com as perdas dos direitos do trabalhador brasileiro promovidas pelo governo federal, precisamos facilitar o acesso do pequeno agricultor ao mercado institucional e a permanência das famílias no campo com uma alimentação mais nutritiva e aumento da renda", enfatiza.

Para o técnico da Emater-MG, Thiago Carvalho a inserção produtiva de cerca de 50 mil famílias de baixa renda com entregas de sementes a partir da integração das áreas técnica, social e das compras institucionais foi o grande diferencial  do projeto.

Durante a reunião na Cidade Administrativa, foram apresentadas as atividades de seleção das famílias, de organização das compras institucionais, o processo da distribuição das sementes e o fortalecimento das cooperativas agrícolas. “Esse trabalho possibilitou a criação de uma rede de pessoas envolvidas e engajadas, colaborando assim para o sucesso da implementação das ações e dos projetos nos territórios da Estratégia Novos Encontros”, afirmou a técnica da Diretoria do Programa de Enfrentamento da Pobreza no Campo, Jéssika Andrade, que durante três semanas percorreu vários municípios onde o projeto está sendo implantado.

Estão atuando no Sementes Presentes cerca de 2 mil  pessoas do Estado e municípios, entre  técnicos da Emater-MG,  gestores de ensino das escolas estaduais, secretários municipais da Assistência Social e Agricultura, técnicos da Seplag e representantes das Diretorias Regionais da Sedese.

Estratégia

A Estratégia de Enfrentamento da Pobreza no Campo foi lançada em 2016 pelo governador Fernando Pimentel para a melhoria da qualidade de vida da população do campo. Coordenadas pela Sedese, as ações buscam retirar da invisibilidade pessoas e comunidades rurais que necessitam do poder público. São mais de 20 órgãos no Estado envolvidos e cerca de 30 ações sendo executadas, entre elas o Projeto Sementes Presentes. No total, desde o ano passado, já foram investidos mais de R$ 200 milhões nos Territórios de Desenvolvimento do Mucuri, Vale do Rio Doce, Alto Jequitinhonha, Médio e Baixo Jequitinhonha e Norte.

Distribuição das sementes

A entrega das sementes de milho, feijão e sorgo nos Territórios já começou. Entre os municípios beneficiados e que estão repassando até dezembro esses produtos às comunidades e agricultores estão São Francisco, Guanhães, Luislândia, Icaraí de Minas, Brasília de Minas, Mendes Pimentel, Bocaiúva, Capitão Eneas, Claro dos Poções, Engenheiro Navarro, Francisco Sá, Glaucilândia, Grão Mogol, Guaraciama, Itacambira, Juramento, Francisco Dumont, São João da Lagoa e Diamantina.

Benefícios

Ao todo, o projeto contempla 750 escolas estaduais, envolve 1.500 gestores públicos e vai beneficiar 43.500 pequenos produtores rurais de 159 municípios nos territórios de Desenvolvimento do Alto Jequitinhonha, Médio e Baixo Jequitinhonha, Norte, Mucuri e Vale do Rio Doce. Essas regiões apresentam altos índices de pobreza e vulnerabilidade social, segundo pesquisa do IPEA/2015. Estão sendo instalados 1.100 sistemas simplificados de água, sendo 800 para consumo e 300 para produção agrícola.

Fonte: Agência Minas

Publicado em: 27/11/2017